Francisco Marques Poeta
Prosas & Poesias (Ensaios, Frases, Trovas, Sonetos, Acrósticos e Algo Mais)
Capa Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato
Prêmios
 
Minhas principais premiações públicas durante a vida – inclusive de escritor – pelo menos até a presente data, na verdade, não passam de uma mera meia dúzia de menções honrosas ou nem isso.
 

Premiação 1: Menções honrosas por haver sido um dos mais educados, disciplinados e estudiosos alunos de toda minha escola no ensino Fundamental e Médio; sem nunca haver sequer colado nas provas (fato reconhecido pelos professores) e nunca sido reprovado nos meus anos letivos, em um tempo em que a aprovação só se dava por méritos e jamais pela fatídica progressão continuada. Menções essas que deixaram de parecer tão honrosas quando percebi que deveria haver estudado um pouco menos e vivido mais.
 

Premiação 2: Menções desonrosas. Escárnio (ofensas, xingamentos e cusparadas) pelos colegas de classe e de escola no meu tempo de aluno do mesmo ensino Fundamental e Médio. Menções ou “prêmios” concedidos não apenas pela minha escola, mas também por uma cidade inteira. Para ser justo, com a exceção de um único aluno e amigo, Eduardo de Souza Paula, a quem devo eterna gratidão e talvez minha salvação psicológica.
 

Premiação 3: Grande sucesso e reconhecimento crítico como ator coadjuvante em 2005 no papel de Otávio Inocente, personagem cômico da Comédia “Somos Todos Inocentes", de autoria de Paulo Rogério Barbosa, baseada em um conto de mesmo mome, de autoria do Escritor Guarulhense Castelo Hansen. Ocasião em que também fui considerado vencedor no teatro de um concurso de máscaras na cidade de Guarulhos. Prêmios apenas simbólicos, mas muito gratificantes para quem antes fora excluído e quase expulso do teatro por um professor muito “sapiente” sob a alegação de falta de talento e voz para atuar.
 

Premiação 4: Citado, publicamente, como sendo o poeta revelação de Guarulhos no começo do século por um grande intelectual guarulhense, que é sociólogo, jurista, escritor e poeta, membro da Academia de Letras de Guarulhos, Ibrahim Khouri. Fato que considero muito importante, ainda que minha amizade com ele possa pôr alguma ressalva em sua citação e nossa amizade tenha-me feito sofrer alguns velados preconceitos.
 

Premiação 5: Classificação do soneto “Utopia” no concurso literário “A Palavra em Prisma” da Cidade de Guarulhos no ano de 2008, cujo prêmio foi o direito de participar e publicar o soneto em uma antologia de mesmo nome. Embora, em minha página, haja havido falhas, eu não seja muito adepto a concursos literários e nem acredite tanto nos seus critérios de escolha, em se tratando de um escritor anônimo, creio que isso deva ser, por mim, considerado.
 

Premiação 6: Rótulos infames de: reacionário, homofóbico, misógino, fascista, nazista, e outras “honras” ao demérito, simplesmente por ser patriota, anticomunista, e reagir contra a corrupção do “establishment” nacional e sua arraigada cleptocracia. Títulos esses que são renovados sempre que escrevo algo em favor do governo atual de Jair Messias Bolsonaro, ou faço alguma crítica aos seus, ou melhor, aos nossos inimigos – comprovadamente – inimigos da Nação.
 

◄ Topo | Capa ►