Francisco Marques Poeta
Prosas & Poesias (Ensaios, Trovas, Sonetos, Acrósticos e Algo Mais)
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato
Textos


Com Licença, Professor
(Um Conto Baseado em Fatos Reais)


Gabriel chegava atrasado quase todos os dias. Mas não era mais necessário dar explicações. Nelson Emiliano, o professor de Redação, já estava ciente: O carro da prefeitura municipal de Inajá que trazia os alunos da zona rural estacionava na porta da escola, rotineiramente, após o horário.
A lousa, como se dizia no interior-norte paranaense, certa vez, já estava cheia de frases: “O cavalo pula”, “O leão ruge”, “O rio corre”, etc e tal.
— Entre, Gabriel. Você já perdeu a metade da aula. Hoje estamos falando sobre a Redação Criativa. Vá depressa à lousa e escreva uma frase sobre um daqueles temas.
— Que tema, professor?
— O cavalo, o leão ou o rio.
— Mas eu não sei fazer frases criativas sobre o cavalo.
— Então faça sobre o leão.
— Sobre o leão eu não conheço nada.
— Nem sobre o rio?!
— Sobre o rio eu... Também não sei.
— Sabe sim. Você mora à beira do Rio Paranapanema e é um dos melhores alunos da classe. Ponha sua memória para funcionar.
Gabriel matutou, insistiu e respondeu:
— Eu não consigo.
— Não se desculpe e vá agora mesmo. Fizeram todos. Por que só você não haveria de fazer?
— Porque o senhor nos pediu frases criativas, e essas são todas banais.
— Banais por quê?
— Não sei, professor.
— Mas não sei não é resposta.
Uma aluna levantou-se da carteira:
— É porque são pobres iguais as bananas.
Todos riram. A aula virou uma piada. O professor pediu silêncio e fez o mesmo. Mas a turma continuou no alarido. Ovídio, o mais zombeteiro da classe, ludibriou:
— O que você queria dizer com esse palavrão idiota, hein?
— Nada!
Outro colega acirrou o escárnio:
— Aposto o quanto quiserem que ele não sabe o de disse.
Pronto. Enquanto Emiliano continuava de cabeça baixa, acertando o livro de chamadas ou corrigindo provas, a sala virava cassino. E alguém gritou lá do fundo da classe:
— Eu aposto o meu lanche do recreio!
Disse ainda outra menina:
— Aposto a minha borracha que ele não sabe mesmo.
Perguntou um terceiro:
— A minha bola-de-meia, quem quer apostar?
E assim foi o motejo. Quase todos participaram. Cada um apostou o que tinha. Houve mais contra que a favor. E Ovídio prontificou-se:
— Professor! Pede para ele explicar.
O professor levantou-se da cadeira:
— Explicar o quê?
— Aquilo que ele falou sobre as frases. Eu aposto a minha cabeça que ele não sabe.
Respondeu o professor:
— Chega de brincadeiras. Vamos ao que nos interessa. Leia a frase que você formulou.
— Ovídio olhou para o quadro e leu-a, orgulhosamente: “O leão tem juba!”
Emiliano ironizou:
— Eu juro que não sabia!
— O senhor está brincando.
— Não estou. Sente-se direito. E tenha mais cuidado com sua cabeça.
— Cuidado?! Por quê?
— Porque eu não apostaria nada na incerteza.
— Nem eu, professor!
O professor Emiliano olhou para o fundo da sala, interpelou-a e criticou:
— Eu só gostaria de saber onde está a vossa criatividade. Como disse o Gabriel,“essas frases são todas banais’. Elas não são ricas e nutritivas iguais as bananas. Seria melhor não escrevê-las.
De repente, a classe ficou em silêncio. Quase todos se calaram completamente. O esnobado continuava mudo. Mas logo depois ergueu a cabeça:
— Com licença, professor. Posso dizer algumas frases?
— Claro que sim. Aliás, você ficou me devendo. Mas uma só basta.
Gabriel observou toda a classe, rompeu aquele breve silêncio, e então citou esta metáfora:
— “Os leões caíram do cavalo e perderam suas jubas”. (FIM)

  Anterior Índice ►
Francisco Marques Poeta
Enviado por Francisco Marques Poeta em 01/08/2019
Alterado em 08/09/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários